/* title to get the post title */ function getPageTitle() { global $wp_query; return get_post_title($wp_query->post->ID); } /* Add shortcode */ add_shortcode('page_title', 'getPageTitle');

A Direção da Associação de Socorros Mútuos – Mutualista Covilhanense apresentou, no dia 29 de dezembro, no âmbito da sua última Assembleia Geral Ordinária de 2020, o Plano de Atividades e Orçamento para o ano de 2021.

O Plano de Atividades e Orçamento, que contempla os objetivos programáticos e a vertente orçamental, prevê aumento significativo nos rendimentos da Associação no próximo ano, passando de cerca de 1.7 milhões de euros, em 2020, para mais de 2.3 milhões de euros, em 2021, um acréscimo de cerca de 600 mil euros.

Essa previsão tem por base a expectativa de crescimento da Farmácia da Associação e o facto de a entidade estar a desenvolver novos projetos na área social e de ajuda humanitária, em parceria com o Estado português.

Requalificação do Edifício-Sede e manutenção de projetos

Uma das prioridades da Associação para o próximo ano é realizar um grande investimento em obras de infraestrutura e de requalificação na sua sede. Para esse projeto, a Associação está a apresentar candidatura ao Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais – 3.ª Geração (PARES 3.0). A previsão é que sejam investidos mais de 1.3 milhões de euros nessa iniciativa, que prevê intervenções nas partes internas e externas da edificação localizada na Rua Capitão João de Almeida.

Em relação aos objetivos programáticos, a Mutualista Covilhanense irá manter o foco na continuação dos projetos sociais e no alargamento das cooperações institucionais. Ações como a Casa de Acolhimento Especializada / Hostel Social, a concretização da Plataforma Supramunicipal de Intervenção Social da Cova da Beira, que prevê uma Estrutura Residencial para Idosos (ERPI) com foco no tratamento de demências, em Caria/Belmonte, além da finalização do processo de certificação de qualidade do Serviço de Apoio Domiciliário estão a ser sinalizadas como iniciativas centrais em 2021.

No âmbito do apoio social, serão mantidas as atividades já em execução, e que são reconhecidas pela população, como o “Inovar para Educar”, “Vida + ao Domicílio”, “Unidade Móvel de Saúde”, “Cuidados de Proximidade – Saúde +”, que conta com um Gabinete Itinerante de Prevenção e Combate à Covid-19, “Cuida com Amor – Protege com Carinho”, “Casa Inteligente”, “Vida + em Meio Rural”, “No Horizonte das Demências”, “Mutualista com as Crianças”, “Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas (POAPMC)”, “OuViste? – Ver melhor, Ouvir mais”, “Programa de Emergência Social”, entre outras. Entidades como o “BPI – Fundação La Caixa”, Caixa Geral de Depósitos, Fundação Calouste Gulbenkian, Universidade da Beira Interior, “Fidelidade Comunidade”, Fundação Manuel António da Mota, Lidl Portugal, Câmara Municipal da Covilhã, entre outros parceiros, apoiam as iniciativas da Associação.

Nelson Silva, presidente da Direção da Mutualista Covilhanense, diz-se confiante no trabalho das equipas da Associação e reforça que todo o investimento previsto tem como intuito atender aos anseios dos utentes e associados da Mutualista, bem como de toda a população da região.

“Em 2021, vamos iniciar uma fase importante de investimentos na requalificação do edifício da nossa sede. Vamos também continuar a promover as ações que são já conhecidas da população do concelho da Covilhã, sobretudo as que vivem em meios rurais e mais afastadas do centro da cidade. Para isso, contamos com o apoio de empresas e entidades parceiras que acreditam no nosso trabalho e que nos ajudam a crescer e a prestar um serviço cada vez melhor na área da saúde e bem-estar na nossa zona”, comentou Nelson Silva.

Esforço financeiro decorrente da pandemia

No ponto final da ordem de trabalhos da Assembleia Geral, Nelson Silva salientou que “as ações em torno da pandemia de Covid-19 implicaram um grande esforço financeiro e de trabalho por parte das equipas técnicas e dos demais trabalhadores da Associação”.

“Preliminarmente, podemos apontar que, desde março de 2020, a Mutualista Covilhanense investiu aproximadamente 50 mil euros em testes à Covid-19, em equipamentos de proteção individual e em material de desinfeção dos seus edifícios e da sua frota automóvel, bem como na contratação de recursos humanos para salvaguardar os serviços, num momento em que a Associação decidiu apostar no arredamento de uma unidade externa ao edifício sede para receber os utentes do Centro de Dia em conformidade com as diretrizes da Direção Geral da Saúde”, mencionou Nelson Silva.

Trabalho e empenho reconhecidos

João Morgado, presidente da Assembleia Geral da Mutualista Covilhanense, responsável por conduzir a sessão que revelou os planos da Associação para 2021, aproveitou o encontro para propor aos associados dois votos de louvor. Um voto de louvor à equipa técnica e aos funcionários da Associação “pelo empenhamento pessoal e profissional à missão de cuidar dos mais frágeis num tempo de incertezas e perigos para a saúde pública, resultantes da pandemia do Covid-19”. E um segundo voto de louvor ao trabalho desenvolvido pela equipa da Direção da Mutualista, que, “perante tamanhas dificuldades, teve a capacidade de gestão que permitiu fazer face a este desafio, tomando as medidas certas no momento certo, e revelando capacidade de liderança. Um desafio humano, mas também um desafio financeiro”. Os dois votos foram aprovados por “unanimidade”.

“As medidas rigorosas de proteção que foram tomadas pela Direção da Mutualista implicaram custos financeiros para esta instituição, enormes custos financeiros – gostaria de sublinhar. Só o planeamento certo e a sustentabilidade económica desta Associação permitiram fazer face a tais encargos, sem colocar em perigo o seu futuro imediato. Para além de tudo isto, permitiu manter crédito junto das instituições financeiras”, defendeu João Morgado.

Para a realização da Assembleia Geral, as equipas técnicas da Mutualista Covilhanense tomaram todas as medidas necessárias orientadas pela Direção Geral da Saúde para evitar casos de infeção pelo novo coronavírus, como o distanciamento social e o uso obrigatório de máscaras. O ambiente foi desinfetado e higienizado antes e depois do encontro e foi disponibilizado álcool em gel para a utilização do público.

Share This